Estudos Bíblicos

O Temor de José

O Temor de José
Wilson Lemos
Escrito por Wilson Lemos

“Assim Potifar deixou tudo o que tinha nas mãos de José, de modo que de nada sabia do que estava com ele, a não ser do pão que comia. Ora, José era formoso de porte e de semblante. Depois destas coisas, a mulher de seu senhor pôs os olhos em José, e lhe disse: Deita-te comigo.

Mas ele recusou e disse à mulher do seu senhor: Estando eu aqui, meu senhor não se preocupa com o que passa na casa, e entregou nas minhas mãos tudo o que tem. Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porque és sua mulher.

Como, pois, posso cometer este tão grande mal, e pecar contra Deus? Embora ela instasse com José dia após dia, ele, porém, não lhe dava ouvidos, para se deitar com ela, ou estar com ela. Certo dia ele entrou na casa para atender aos seus deveres, e ninguém dos da casa se encontrava presente.

Ela o pegou pela capa, dizendo: Deita-te comigo! Mas ele deixou a capa nas mãos dela e fugiu, escapando para fora.” (Gn 39:6-12)

José não teve uma ascensão tão súbita quanto Sansão e muito menos tinha poderes sobrenaturais. Vendido pelos próprios irmãos, era um jovem que parecia condenado desde cedo a uma vida escrava e sem muitas expectativas.

Teve o seu espírito forjado na fornalha da rejeição, incorporando o princípio espiritual que também se cumpriu na vida do Messias: “A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se cabeça da esquina” (Sl 118:22). Apesar do traumatizante início que José teve em sua vida, ele tinha uma decisão que estava acima de qualquer habilidade carismática: O temor de Deus.

Nisto residiu a grande força de José que superou em muito todo vigor e carisma de Sansão, arremessando-o para o topo da vontade de Deus. O temor de José proporcionou a ele mais que força, mais que poder, autêntica autoridade divina. Uma posição confere poder, porém autoridade genuína vem do caráter, e isto José possuía.

José simplesmente não negociava os princípios de Deus. Por isto, quando agredido carinhosamente pelo espírito de sensualidade através da esposa de Potifar, ele nem cogitou qualquer possibilidade de ceder. Ele teve um discernimento claro da investida maligna.

Apesar da dose de encantamento que acompanhava a cantada sedutora daquela mulher, pois a proposta partia dela e não dele, do fato de estarem sozinhos e acima de tudo da insistência com a qual ela o abordava, tudo que José fez foi absurdizar a situação:”… Como, pois, posso cometer este tão grande mal, e pecar contra Deus?” (Gn 39:9)

José tinha uma qualidade rara: era confiável. Mesmo sem ninguém por perto, era confiável. Unha uma profunda consciência da presença e da onipresença de Deus. Caráter é aquilo que você é quando não está sendo policiado.

Não podia suportar a ideia de trair a confiança de seu patrão e muito menos a confiança de Deus. Ele não barganhou suas responsabilidades com o prazer, por mais fácil e tentador que fosse. Era um homem de caráter, um verdadeiro líder, um homem digno de ser seguido porque servia com lealdade.

Mais uma vez foi injustiçado, caluniado e preso, em virtude da sua integridade com Deus. Era um homem piedoso. Não foi um preço barato. Foram aproximadamente treze anos de masmorra.

A palavra que Jesus usou para descrever a situação daqueles que são perseguidos e injuriados por causa da justiça é: Bem-aventurados! Como a Palavra de Deus confirma:”… Mas enquanto José ficou ali no cárcere, o Senhor era com ele; estendeu sobre ele a sua benignidade, e lhe concedeu graça aos olhos do carcereiro”.{Gn 39:21}

Não é de se admirar que, durante estes anos, no “Seminário da Masmorra”, José tenha se tornado num dos homens mais cheios do espírito de revelação e sabedoria. No tempo certo, depois de ser vendido pela família, traído e caluniado pela esposa do seu patrão e esquecido pelo companheiro de cela que havia sido restituído no reino, Deus se lembrou de José.

Seu quadro foi revertido e aquele sonho que provocou implacavelmente a inveja dos irmãos se cumpre literalmente. Foi estabelecido na mais alta posição de autoridade, estando apenas abaixo de Faraó, na maior nação daquela época. Um homem plenamente aprovado na escola do quebrantamento, que teve o pescoço do espírito de sensualidade debaixo de seus pés.

Agora, através do seu profundo discernimento e pela preciosa sabedoria adquiridos em todos estes anos de exílio, abasteceu-se do trigo de Deus para saciar a fome do mundo. Os celeiros estavam cheios do trigo fino. Tinha os recursos de Deus para alimentar as nações. Sua hora chegara! Seu sonho se concretizou! O propósito de Deus na sua vida se cumpriu cabalmente!

Sobre o autor

Wilson Lemos

Wilson Lemos

Meu nome e Wilson lemos,
sou evangelista formado em bacharel em teologia pelo instituto de teologia
SETAD.

Sou casado e tenho por missão ajudar você a crescer espiritualmente em conhecimento.

Deixe um comentário