Estudos Bíblicos

O Extinguir a Lampadade de Deus traz morte ao mundo

O Extinguir a Lampadade de Deus traz morte ao mundo
Wilson Lemos
Escrito por Wilson Lemos

A Bíblia relata que 30.000 homens de infantaria caíram naquele dia. Estes re-presentam o mundo. Milhares morreram porque a glória de Deus havia partido. De fato, uma carnificina em massa havia acontecido porque o poder de Deus já não estava presente.

Se Israel ainda estivesse aceso para Deus, se a lâmpada de Deus (representam¬do o fogo nos corações de Israel) ainda brilhasse, nada disto teria acontecido. Há relato após relato, por todo o Antigo Testamento de acontecimentos nos quais as forças bem menores de Israel tinham saí¬do vitoriosas mediante a intervenção de Deus.

Mas agora a chama estava apagada; a lâmpada, extinta. Conservava-se o combustível. O fervor à Deus era considerado estranho e extremista. Israel tinha-se tornado sofisticado em seu relacionamento para com Deus. Assim, a glória partira.

Por toda aquela noite houve grande pranto em Israel. Trinta mil filhos, ir¬mãos, e maridos haviam sido removidos para sempre de entre os vivos. Gritos de angústias encheram a noite à medida que as famílias iam sendo notificadas.

Que sacrifício desesperado e inútil; que desperdício desnecessário do melhor da juventude de uma nação! Tudo acontecera por um simples motivo: A lâmpada de Deus tinha sido apagada em Israel.
Jesus Comissionou-nos Para Sermos a Luz do Mundo
O único modo pelo qual este mundo pode encontrar Deus é mediante Jesus Cris-to.

O único modo pelo qual este mundo pode encontrar Jesus Cristo é através de mim e de você!
Muitos cristãos escolhem ignorar a importância desta afirmativa.

Têm um vago sentimento que de alguma forma o Espírito de Deus levará os homens ao ponto em que serão convertidos espontaneamente, assim, colocando a responsabilidade total da salvação do mundo sobre Deus — retirando de si mesmos qualquer envolvimento.

Infelizmente, seu ponto de vista está tristemente distorcido. Não há como o mundo perdido e moribundo, em bancarrota espiritual, possa chegar-se a Deus a não ser que as pessoas vejam e ouçam os fatos da salvação por nosso intermédio, as mãos do seu corpo que é a igreja.

Nosso Senhor Jesus Cristo completou sua obra no momento em que subiu à cruz do Calvário. Hoje ele não se encontra na terra. Está sentado na glória à destra de Deus neste instante. Sua obra terrena para esta época está completa. Mas ele trans¬feriu seu poder e autoridade a nós. Ele nos ajuda, guia-nos e nos fortalece.

Mas a realização desses atos tão necessários hoje, depende inteiramente de nós!Os homens não podem ver Deus a me¬nos que o vejam através de nós. Almas não podem ser salvas a menos que ouçam a Palavra de Deus por nosso intermédio. Os anjos não estão pregando a Palavra de Deus e Deus também não está pregando a sua Palavra.

Ela está sendo entregue ao mundo somente através dos frágeis lábios do homem mortal. Verdadeiramente somos a luz do mundo. Mas se deixarmos que essa luz se apague… o mundo perecera em trevas.A única esperança do mundo hoje jaz na dedicação e entrega do filho de Deus. Temos uma responsabilidade monumental de completar a tarefa que nos foi confia¬da por nosso Senhor e Mestre.

Se não o fizermos, simplesmente ela não será feita.Mahatma Ghandi
Um homem pequeno, de pouca importância, chamado Mahatma Ghandi, tirou, à força, a maior joia da coroa do império britânico. Refiro-me, é claro, à índia.

Terminada sua educação universitária na Inglaterra, o coração de Ghandi ansiava pela liberdade. A índia toda, a engrenagem principal da grande máquina da Inglaterra colonial, desejava ser livre. Mas que chance havia de se realizar esta grande transformação? A Grã-Bretanha era uma das mais poderosas potências na face da terra.

Comparada ao poder da Grã–Bretanha, a índia era fraca e sem poder. Esperanças de independência eram, como tudo indicava, um sonho impossível.Entretanto, dentro de poucos anos, a índia estava livre. Um homem pequeno e frágil realizara um resultado impossível Por meio de suas ações a índia saiu de colonialismo e passou a nação.

Antes de Ghandi começar sua missão, sentiu fome de conhecer Deus. Adiou sua grande missão nacional por algum tempo a fim de ver se primeiro podia entrar em contato com o grande Deus de toda a criação. Em sua busca de alguma manifestação desse grande Deus, viajou desde a Inglaterra até à África do Sul.

Infelizmente, restringiu seu campo de procura à igreja do estado. Durante sua busca, visitou várias igrejas do estado, mas, é claro, ficou desanimado pela liturgia fria dos cultos a que assistiu. Afinal concluiu que sua busca era vã.

Olhe para a índia hoje e pergunte a si mesmo o que poderia ter sido se ele tivesse ido a um culto à antiga cheio do Espírito Santo e sido convertido. Hoje a índia está atolada numa confusão de deuses pagãos. O povo morre de fome pelas ruas. As cidades não passam de pântanos apodrecidos. A índia é, deveras, a representação da miséria do mundo.

Por que está a índia em condição tão deplorável? Há falta de mão de obra ou de inteligência? A resposta é um “não” enfático. Os hindus estão entre os mais inteligentes do mundo. Mas estão sob cativeiro de poderes demoníacos. Constroem templos ao “deus rato”; adoram vacas e bois. Os espíritos demoníacos são adorados na índia.

Apesar das infusões em massa de ajudas norte-americanas, não se tem conseguido fazer quase nada para aliviar a pobreza endêmica da índia. A inanição ainda acontece diariamente; a população cresce assustadoramente e continuamente aumentam as condições deploráveis exis¬tentes ali.

A índia está nas trevas. Se tão-somente Ghandi tivesse encontrado o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, talvez a índia pudesse ter sido tirada desta confusão de desespero. Mas a igreja falhou para com Deus. Uma igreja que tinha o poder de converter Ghandi havia-se tornado fria, formal e legalista.

Em vez de demonstrar a Ghandi o poder de Deus, demonstrou uma adoração refinada, sofisticada e organizada pela mão do homem. Não havia poder ali; não havia glória ali; não havia vida ali. E por que nada havia que demonstrasse Deus a um coração faminto, 700 milhões de pessoas têm sido lançadas nas trevas onde há choro e ranger de dentes.

Quão grande é a responsabilidade dos que escolheram seguir seus próprios caminhos em vez de trilharem o caminho de Deus! E quão grande é nossa responsabilidade se decidirmos acomodar-nos e esperar que outrem façam o que cabe a nós!

É realmente possível que milhões hoje em dia estejam indo para o inferno por que a igreja tem-se tornado fria, morta, decadente e emaciada? NÃO SOMENTE É POSSÍVEL, É TAMBÉM UM FATO COMPROVADO!Por que as almas famintas encerram-se dentro de edifícios vazios de Deus? Gritos de aleluia já não ecoam pelos tetos.

Os pregadores em vez de pregar, dão relatórios tirados de livros. Não se distingue os membros das igrejas dos membros de clubes mundanos. Não há demonstração do novo nascimento por vidas mudadas. E se acontece de alguns dos presentes terem experimentado o novo nascimento, são desencorajados a mencionar tal fato ou evidenciá-lo.

Como é que a alma que busca pode esperar encontrar Deus em tais ambientes?Um Homem Desiludido Não muito tempo atrás, recebi, em meu escritório, a visita de um senhor. Deus lhe havia falado ao coração. Ele tinha visto um de nossos programas de televisão e o Senhor o havia atraído firmemente.

Ele estava em pé em frente de minha escrivaninha enquanto eu tentava persuadi-lo a fazer uma entrega aberta a Cristo.

— Por que devo ir à igreja? — perguntou ele. Nas poucas vezes que fui à igreja vi as mesmas pessoas que frequentavam os clubes noturnos e discotecas na noite anterior. Ir à igreja parece-me simplesmente desperdício de tempo.
É triste, mas grande parte do que ele disse é verdade.

Tentei convencê-lo de que nem todas as igrejas são assim. Muitas estão acesas com o fogo do Senhor. Mas, infelizmente, temos a tendência de dar mais crédito ao que vemos do que ouvimos.
Ele tinha visto cultos frios e mortos.

Cultos só de aparência. Como é que podemos convencer alguém de que não é só isso que existe? Quantos que buscam, cansados de sua dissolução interior por causa do pecado, mas como esse homem, são incapazes de encontrar uma igreja que demonstre o poder de Deus mediante o fluxo não poluído do Espírito? Infelizmente, temo que o número seja grande demais.

O mundo hoje percebe que algo está errado. Milhares — talvez milhões — sabem, no coração, que seus caminhos não é o caminho. Mas ao darem o primeiro passo na tentativa de encontrar o caminho melhor, o que quase sempre encontram? Uma igreja cuja vida não é mais do que a que eles têm. Uma igreja que não de¬monstra nada do poder de Deus. Prega¬dores que pregam a descrença. Sermões que ridicularizam a Bíblia e a própria existência de Deus.

A pessoa que procura algo melhor e é exposta a este tipo de igreja sai e vai reabraçar seu velho mundo de trevas pro¬fundas por não ter encontrado alguma coisa melhor. Depois de ouvir uma mensagem de dúvida, morte e trevas, por que deve ela fazer um compromisso com um modo de vida que não é diferente do que está tentando escapar?

As igrejas de hoje terão de responder a Deus por rejeitar a comissão de Cristo de serem a luz do mundo. Na maioria das igrejas a lâmpada perante o altar do Se¬nhor não se está apagando: há muito que foi extinta. O pequeno punhado de cristãos crentes, dedicados e operantes tem uma tarefa imensa pela frente pois levam a última chispa da luz de Deus dentro de suas almas.

É nosso dever reacender a lâmpada de Deus perante o mundo. Somos os únicos que temos os meios com que fazer isso. Se formos indolentes e deixarmos que a chama desapareça como que por entre nossos dedos, o Senhor requererá o sangue de milhões de nossas mãos.

Um Homem Que Usava Drogas Algum tempo atrás, a porta de meu escritório se abriu e, enquanto minha secretária fazia uma tentativa de apresentar um jovem, ele passou por ela e entrou no escritório. Ele parecia estar andando nas nuvens. Estava bem vestido.

Caminhando em minha direção, lançou as mãos para os ares gritando, “Aleluia”, e começou a dançar no Espírito. Eu não o conhecia. Nunca o tinha visto antes. Então ele me contou esta emocionante história.Sua vida tinha sido dominada pelas drogas.

Tinha sido levado às profundezas da depravação por causa desse cativeiro terrível. Disse-me ter perdido quase cinqüenta quilos. Seus olhos lacrimejavam constantemente. Suas mãos tremiam como uma folha ao vento. Cada nervo, cada fibra de seu corpo clamava constantemente por drogas.

Todas as suas veias tinham sofrido colapso por causa das muitas injeções que havia tomado. Os únicos lugares em que ainda podia injetar era entre os dedos dos pés e debaixo da língua.
Suas noites eram um inferno em vida, Tinha chegado ao ponto de onde não havia retorno.

Dedicava as noites a roubar dinheiro a fim de alimentar o vício no dia seguinte. Era uma ronda sem fim de desastre e escuridão. A vida tinha perdido todo o seu sabor. Na verdade, ele não estava muito longe da morte se continuasse com o seu presente caminhar e ele sabia disso.

Disse-me ter ido de igreja em igreja, Fora a edifícios grandes e ricos repletos de pregadores de gabarito. Sentara-se aos pés deles e ouviu-os expor coisas que só compreendia pela metade. Ele andara, como lhe parecia, quilômetros de corredores de igrejas numa busca desesperada que o tirasse do labirinto constrangedor que havia construído para si mesmo.

Ele se unia a uma igreja após a outra. Eles balbuciavam “palavras” sobre ele, ele assinava o livro de registros e então saía, tão vazio quanto entrava. O problema? Ele estava indo a igrejas onde a lâmpada havia-se apagado! Ele procurava libertação dos poderes das trevas, e era forçado a voltar-se para instituições que estavam atoladas na escuridão.

Ali não havia poder e nem glória. Não havia a presença tangível de Deus em suas estruturas.Espero que a igreja viva do Deus vivo dê atenção às palavras que aqui deixo. Bons pregadores entregando lindos sermões em edifícios bonitos não darão conta do recado! É preciso muito mais do que isso.

Sem o poder de Deus que dá liberdade aos cativos, nada será mudado. Educação, conhecimento, talento ou capacidade não podem curar os males do mundo. Cantores treinados trinando óperas espirituais; pregadores com um punhado de credenciais impressivas; “cultos” opulentos de televisão — tudo isso faz com que Satanás ria até doer-lhe a barriga.

Tudo isso “parece” bem ao mundo. É o que Deus queria dizer com: “tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder”. As coisas que impressionam o mundo não impressionam o lado espiritual da criação. E é no lado espiritual que a batalha pelas almas dos homens está sendo travada.

Não lutamos contra a carne e o sangue mas sim contra os principados e potestades, contra os poderes das trevas, contra a maldade espiritual nos lugares celestiais. A maldade espiritual nos lugares celestiais não será vencida por credenciais frívolas humanas nem por palavreados mundanos. É vencida somente pelo poder do grande Deus Todo-poderoso.

Desejo dar ênfase ao fato de que é pre¬ciso poder do Deus Altíssimo para libertar o cativo. Podemos organizar os cultos de nossas igrejas e colocar neles todas as nossas habilidades humanas no esforço de tirar os homens das trevas. Mas se não tivermos a lâmpada de Deus acesa dentre de nossa vida, nosso esforço terá o mesmo efeito que o de um pagão que não tem interesse algum pelos perdidos.

É Deus e seu poder que tiram os homens do caminho das trevas e os levam para a bendita luz do Evangelho de Jesus Cristo. Se não tivermos a lâmpada de Deus acesa em nossa vida, não podemos esperar ver resultados de nossos esforços.

Infelizmente, o que defendo aqui a maio¬ria das igrejas de hoje ridiculariza, debocha e deste assunto faz pouco. Até mesmo as igrejas pentecostais estão começando a ficar embaraçadas com isso. Deixaram seu primeiro amor e buscam a glória dos homens, em vez da glória de Deus. Tentando encaixarem-se no molde do mundo, conformam-se às convenções que agradam aos homens, e no processo perdem o contato com Deus.

Oh, sim, estão-se tornando ricas e poderosas. As igrejas que atraem os homens tornam-se ricas em posses mundanas. Mas pergunto: é isto o que buscamos em nosso breve caminhar terreno?
Uma igreja popular não é igreja de cujo púlpito irradia poder. A igreja popular não prega o Evangelho de Jesus Cristo em sua inteireza. A igreja popular não chora por um mundo perdido sem o sangue redentor de Jesus Cristo.

A igreja popular não grita de alegria com os que foram redimidos do pecado.Verdadeiramente, digo eu, a lâmpada está a se extinguir. O azeite está bar. Quando a luz esmorece, para onde irá o mundo em desespero ao compreender sua situação e clamar por um raio de luz? Se não cuidarmos de nossas lâmpadas, quem vai mostrar a luz de Cristo ao mundo?

O jovem viciado, em pé em minha frente, contou que certa noite decidiu tirar a vida. Não podia continuar na espiral louca e de descida em que sua vida havia-se transformado. Viver não tinha sentido. Era nada mais do que uma ronda infindável de agonia, cativeiro e nervos gritando por outra injeção. Estava morto sem Deus.
Entrou no carro. Seu corpo era sacudido pelos soluços. Dirigiu, sem ver, pelas ruas. O tempo perdeu todo o significado. Tentou orar. Seu coração clamou a Deus em agonia. Alguns pequenos envelopes de plástico cheios de um pó branco estavam no assento do carro ao seu lado. Ele ia destruir-se e a única questão era onde estacionar e cometer o ato.

“Deus”, disse ele, “se vais salvar-me deves fazê-lo agora. Antes do amanhecer estarei morto. Não mais posso continuar.

Fui à igreja e nada me ofereceram. Que devo fazer agora? Podes tu realmente ajudar-me? Para onde me volto agora?” Em algum tempo durante essa noite de desesperança total, seus olhos foram dar num cartaz rústico e escrito a mão na frente de uma igreja de aparência um tanto descuidada e nada imponente.

Dizia o cartaz: “Jesus salva, Jesus cura, Jesus liberta, Jesus enche com o Espírito Santo.”Apesar do edifício não ser nada convidativo, sentiu que devia parar o carro. As luzes estavam acesas e parecia haver gente na igreja. Entrou e se assentou num banco ao fundo e sem que percebes¬se alguém chegou a seu lado.

Eram cerca de dez horas da noite e o culto ainda não tinha terminado. Graças a Deus que essa não era uma igreja moderna onde os cultos são programados para não durar mais do que uma hora, igreja cujos membros devem ser chamados de “cristianetes” pois tudo o que ouvem são “sermonetes”. Esta era uma igreja onde aconteciam coisas!
O pregador curvou-se sobre ele e perguntou qual era seu problema.— Não sei do que preciso — disse ele, — mas se não conseguir ajuda estou acabado. Estou morrendo sem Deus. Sou viciado em drogas. O senhor pode fazer alguma coisa por mim?
Um sorriso iluminou o rosto do pregador.

— Filho — disse ele — você veio ao lugar certo.
Louvado seja Deus! Quantas igrejas podem dizer isso hoje? Quantas são confrontadas pelos possessos de demônio ou pelos viciados em drogas e simplesmente não sabem o que fazer? Não muito tempo atrás, as principais denominações enviavam essas pessoas aflitas aos pentecostais para a libertação. Hoje nós os enviamos aos psiquiatras.

Em que triste estado de coisas nos deixamos cair! Deus nos ajude!
Conduziram o jovem para a frente da igreja e ele disse que enquanto andava algo o atingiu.

Disse que jamais esqueceria disso nem o poderia explicar, seus joelhos cederam e ele caiu ao chão. Ele não sabia o que estava acontecendo, mas eu sei o que estava acontecendo e você também sabe. Ele tinha sido tocado pelo poder de Deus.

“Em questão de minutos ele foi gloriosamente salvo pelo poder de Deus e lavado no sangue do Cordeiro. Pouco tempo depois mais ou menos à uma hora da manhã, o Senhor Jesus Cristo maravilhosa e gloriosamente batizou-o no imenso poder do Espírito Santo. Ao sair da igreja naquela noite ele não voltou para o carro.

Simplesmente andou pelas ruas a noite toda louvando o nome de Jesus Cristo. Ele tinha sido salvo da morte para vida, do pecado pura a salvação, do inferno para o céu, das trevas para a luz. Verdadeiramente, experimentara o milagre da redenção. Somente o poder de Deus pode fazer isso.

Sobre o autor

Wilson Lemos

Wilson Lemos

Meu nome e Wilson lemos,
sou evangelista formado em bacharel em teologia pelo instituto de teologia
SETAD.

Sou casado e tenho por missão ajudar você a crescer espiritualmente em conhecimento.

Deixe um comentário