Estudos Bíblicos

O Espirito Por Toda a Escritura

O Espirito por toda a escritura
Wilson Lemos
Escrito por Wilson Lemos

Para entender a obra do Espírito em aplicar as realizações de Cristo, consideremos como o Espírito é gradualmente revelado por toda a Escritura.

 O Espírito de Deus

A primeira vez que o Espírito de Deus é mencionado é em Gênesis 1:2. Este é Deus Espírito em Sua criação. O Espírito de Deus pairou por sobre as águas mortas para a criação de Deus.

 O Espírito de Jeová

Depois de criar o homem, Deus permaneceu intimamente envolvido com ele. Em seu relacionamento com o homem, o título de Deus é Jeová. É por isso que no Velho.

Testamento o Espírito de Deus é freqüentemente chamado de Espírito de Jeová. O Espírito de Jeová vinha sobre certas pessoas.

Isso indica que o Espírito de Jeová tem a ver com Deus alcançando o homem (Jz 3:10; Ez 11:5). Os principais títulos usados para o Espírito de Deus no Velho Testamento são o Espírito de Deus e o Espírito de Jeová.

O Espírito Santo

Na encarnação, o Espírito de Deus foi chamado o Espírito Santo (Mt 1:18, 20; Lc 1:35). Andrew Murray, em sua obra prima O Espírito de Cristo, salienta que o título divino, “o Espírito Santo” não é usado no Velho Testamento. Em Salmos 51:11 e em Isaías 63:10,11 “Espírito Santo” deveria ser traduzido para “Espírito de santidade”.

Quando chegou o tempo de preparar o caminho para a vinda de Cristo e de preparar um corpo humano para Ele iniciar a dispensação do Novo Testamento, é que o termo “Espírito Santo” começou a ser usado (Lc 1:15, 35).

O Espírito Ainda Não Sendo

Agora chegamos a um ponto muito difícil. Em João 7:37, 38 o Senhor Jesus exclamou: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba.

Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva.” Em seguida, no versículo 39, João explica que o Senhor falou isto “com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito ainda não era (lit.), porque Jesus não havia sido ainda glorificado.

” João não diz o Espírito de Deus, o Espírito de Jeová, ou o Espírito Santo, mas “o Espírito”. Ele diz mais adiante que quando Jesus estava exclamando ao povo, “o Espírito ainda não era”.

A versão J. E de Almeida diz, “o Espírito ainda não fora dado” (VRC), mas a palavra “dado” foi inserida; ela não está no texto grego. O Espírito de Deus estava em Gênesis 1, e o Espírito de Jeová vinha sobre os profetas no Velho Testamento. Por que, então, em João 7 o Espírito “ainda não era”?

Andrew Murray em seu livro O Espírito de Cristo indica que, antes da glorificação de Cristo, isto é, antes da Sua ressurreição (Lc 24:26), o Espírito de Deus tinha somente divindade. Mas quando Cristo foi ressuscitado , o Espírito de Deus tornou-se o Espírito do Jesus glorificado. Se Ele ainda fosse somente o Espírito de Deus, teria somente o elemento divino.

A palavra de Murray quer dizer que o Espírito, ao tornar-se o Espírito de Jesus glorificado que veio após a ressurreição de Cristo, tem agora o elemento de humanidade.

 O Espírito Composto

Quando jovem, fui ensinado que em Êxodo 30:22-30, o óleo da unção é um tipo do Espírito Santo. Mas depois de ter recebido esclarecimento pelo livro de Andrew Murray, voltei a estudar Êxodo 30. Esse óleo é composto de azeite de oliveira combinado com 4 especiarias: mirra, cinamomo, cálamo e cássia.

O azeite de oliveira é um tipo do Espírito Santo, mas que são as quatro especiarias? Sabe-se que a mirra refere-se à morte de Cristo. Cinamomo deve indicar a doce eficácia daquela morte. Cálamo é um junco que cresce no pântano e projeta-se alto, no ar.

Isso indica ressurreição. Cássia era usada nos tempos antigos como um repelente de insetos e especialmente de serpentes. Isso indica o poder da ressurreição de Cristo que prevalece contra Satanás.

Essas quatro especiarias são de três unidades. Mirra, quinhentos siclos. Cinamomo e cálamo, duzentos e cinqüenta siclos cada, e cássia, quinhentos siclos. Se o cordeiro é um tipo de Cristo e se o azeite de oliveira é um tipo do Espírito Santo, certamente essas quatro especiarias são também tipos a respeito de Cristo.

As três unidades de quinhentos siclos cada devem referir-se à Trindade. A quantidade total de cinamomo e cálamo, sendo dividida em duas unidades de duzentos e cinqüenta cada, tipifica o segundo da Trindade “dividido” na cruz, assim como o véu foi rasgado de alto a baixo.

O número “um” do um him de azeite de oliveira significa o Deus único. O número quatro das quatro especiarias significa a criatura. Em Ezequiel e em Apocalipse há quatro seres viventes, referindo-se à criação de Deus (Ez 1:5, 10; Ap 4:6-9).

Por meio disso podemos perceber que esse óleo composto deve ser um tipo todo-inclusivo do Espírito composto referido em João 7:39. Isso quer dizer que o Espírito de Deus, como o elemento básico, foi combinado com a deidade, humanidade, morte e ressurreição de Cristo como as especiarias.

Neste Espírito composto estão o Deus único, a Trindade, o homem, a criatura, a morte de Cristo, a doçura e eficácia de Sua morte, a ressurreição de Cristo e o poder de Sua ressurreição.

O Espírito era primeiramente o Espírito de Deus, possuindo somente a essência divina. Mas depois que Deus, no Filho, tornou-se um homem e morreu na cruz, passando pela morte e ressurreição, e entrando na ascensão, o Espírito tornou-se o Espírito de Jesus Cristo (Fp 1:19), composto da essência de Deus e da humanidade de Jesus em Sua morte e ressurreição.

O Espírito não tem mais somente a essência divina, mas tem agora, em acréscimo, a humanidade de Jesus com a morte de Cristo, a eficácia de Sua morte, a ressurreição e o poder de Sua ressurreição.

Dos escritos sobre a vida interior, recebi ajuda em saber que fui crucificado antes de eu ter nascido (Gl 2:19b, 20). Aos olhos de Deus fomos crucificados antes de termos nascido. Como escolhidos de Deus, nascemos crucificados.

A senhora Jesse Penn Lewis disse que todo cristão deve morrer para viver (Jo 12:24; 1 Co 15:31; 2 Co 4:11). Mas minha experiência foi que, quanto mais eu tentava morrer, mais vivo ficava. Um hino escrito por A. B. Simpson diz que existe uma pequena palavra que o Senhor deu: considerar.

De acordo com Romanos 6:11, devemos considerar-nos mortos. Pratiquei o considerar-me, mas não funcionou. Quanto mais me considerava morto, mais vivo parecia! No livro de Watchman Nee, A Vida Cristã Normal, existe um capítulo que enfatiza o considerar.

Esse livro é uma compilação de mensagens que o irmão Nee deu antes de 1939. Depois de 1939 ele começou a dizer às pessoas que não podemos experimentar a morte de Cristo revelada em Romanos 6 até que tenhamos a experiência do Espírito de Cristo em Romanos 8. A morte de Cristo em Romanos 6 pode ser experimentada somente por meio de Seu Espírito em Romanos 8.

Em outras palavras, se não estamos no Espírito, considerar que estamos mortos não funciona.

Cristo é Cristo, e você é você; e a morte Dele não é sua morte a menos que você esteja ligado a Ele organicamente por meio do Espírito. No Espírito composto existem os elementos da morte de Cristo e de sua eficácia, prefigurados pela mirra e cinamomo.

Quando estamos no Espírito, o Espírito composto, não necessitamos considerar-nos mortos, porque no Espírito existe o elemento da morte de Cristo.

Alguns medicamentos têm elementos que matam germes. Se você tentar matar os germes por si mesmo, fracassará. Mas se toma um medicamento prescrito, um elemento naquele medicamento matará os germes por você.

O Espírito composto hoje é uma dose todo-inclusiva. Um médico lhe dirá que a melhor dose é aquela que mata os germes e nutre o paciente.

Isso pode ser usado como uma ilustração do Espírito composto. No Espírito composto existem a morte de Cristo, que é o poder que mata, e a ressurreição de Cristo, que é a fonte de nutrição da vida divina. Esses elementos que matam e que nutrem estão combinados juntamente neste Espírito.

O Espírito de Jesus

O Espírito Santo é chamado de Espírito de Jesus em Atos 16:6, 7. Jesus era um homem que sofria perseguição. Como um evangelista, Paulo saía para pregar, e ele também sofria. Naquele sofrimento ele precisava do Espírito de Jesus porque no Espírito de Jesus há o elemento do sofrimento.

Se vai a um país pagão para pregar o evangelho, você precisa do Espírito de Jesus para enfrentar a oposição e perseguição. A força do sofrimento para resistir à perseguição está no Espírito de Jesus.

 O Espírito de Cristo

Em Atos 16, por causa da perseguição, Paulo precisou do Espírito de Jesus, mas em Romanos 8 em ressurreição há o Espírito de Cristo. Em Romanos 8:9,10 temos três títulos: o Espírito de Deus, o Espírito de Cristo, e Cristo. Estes três títulos são usados permutavelmente.

Isso indica que o Espírito de Deus é o Espírito de Cristo, e o Espírito de Cristo é simplesmente o próprio Cristo. Estes três títulos são sinônimos. O Espírito Santo de Deus é não somente o Espírito de Deus, mas também o Espírito de Jesus que sofreu e o Espírito do Cristo ressurreto.

Contanto que tenhamos tal Espírito, temos o poder do sofrimento para enfrentar a perseguição e o poder de ressurreição para viver uma vida ressurreta sobre o pecado e a morte (Rm 8:2).

O Espírito de Jesus Cristo

Em Filipenses 1:19 Paulo refere-se à “provisão do Espírito de Jesus Cristo”. O suprimento abundante está com o Espírito de Jesus Cristo. Este Espírito guiou Jesus pela encarnação e por meio do viver humano na terra por trinta e três anos e meio.

O Senhor Jesus viveu uma vida santa e sem pecado por muitos anos por meio do Espírito dentro Dele. O mesmo Espírito guiou Jesus por meio da morte e para dentro da ressurreição.

Então o Espírito de Deus tornou-se o Espírito de Jesus Cristo. Por tal longo processo, os elementos da humanidade, do sofrimento e do viver humano, da crucificação de Cristo, de Sua ressurreição e mesmo de Sua ascensão foram totalmente combinados com este Espírito.

O Espírito que recebemos não é meramente o Espírito de Deus, possuindo somente o elemento divino. O Espírito que nós, cristãos, recebemos é o Espírito composto de divindade, humanidade, viver humano, sofrimento, crucificação, ressurreição e ascensão. Deus está no Espírito.

A humanidade elevada de Jesus e Seu sofrer e viver humano também estão no Espírito. A morte, ressurreição e ascensão de Cristo estão todos neste Espírito. Deste modo, com este

Espírito está o suprimento abundante. Paulo pôde suportar perseguição e aprisionamento por causa do suprimento abundante do Espírito de Jesus Cristo. Esta provisão tornou-se sua salvação diária e pessoal.

Mesmo acorrentado e em prisão ele ainda engrandecia Cristo e vivia Cristo (Fp 1:19-21a). Ele engrandecia Cristo, não por sua energia ou por sua própria força, mas pelo suprimento abundante do Espírito de Jesus Cristo.

O Espírito do Senhor

“O Espírito do Senhor” (2 Co 3:17) indica que a ascensão de Cristo está incluída no Espírito. “O Senhor” neste versículo refere-se ao Cristo crucificado, ressurreto e ascendido. Na Sua exaltação Ele foi feito Senhor (At 2:36).

Em 2 Coríntios 3:17 diz: “O Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade.” Primeiramente, ele nos mostra que os dois são um, e, em segundo lugar, mostra que os dois ainda são dois.

Da mesma forma, em João 1:1 diz: “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus” (lit.). A palavra e Deus são um, todavia a Palavra estava com Deus, o que indica que Eles são dois.

O Espírito Idêntico ao Senhor

O Espírito é idêntico ao Senhor. No passado, o termo Cristo pneumático era usado em Cristologia. O Cristo pneumático indica que o próprio Cristo é o Espírito. Entretanto, não pensem que quando a Bíblia diz que o Senhor é o Espírito ela anula a distinção entre o Filho e o Espírito. Eles são um, todavia ainda dois. Eles são um, todavia ainda distintos.

Toda verdade na Bíblia tem dois lados. Com respeito ao Deus Triúno, se vocês permanecem no extremo do lado de um, vocês são modalistas. Se permanecem no extremo do lado de três, vocês são triteístas.

Nós permanecemos na Palavra, desse modo não somos nem triteístas nem modalistas. Cremos na Trindade genuína, que Deus é três-um. Deus é unicamente um, todavia Sua deidade é da Trindade. A palavra triúno vem do latim. Tri significa três; uno significa um. Assim, triúno quer dizer três-um.

Em João 14:23 o Senhor Jesus nos diz que quem quer que O ame, Ele e o Pai virão a este e farão nele morada. Também, em João 14:17 o Senhor Jesus nos diz que o Espírito como o Espírito da realidade virá para habitar nos crentes.

Assim, no mesmo capítulo nos é dito que o Pai e o Filho farão morada com aquele que O ama e que o Espírito habita naquele que O ama. Isso nos mostra que os três estão nos crentes simultaneamente. O Deus Triúno está em nós. Isso é um mistério, mas pela nossa experiência sabemos que isso é assim.

Em Mateus 28:19 o Senhor Jesus diz: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-as para dentro do nome (singular) do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (lit.). A mesma preposição grega “para dentro” é usada em Romanos 6:3. Quando fomos batizados para dentro de Cris­to, fomos batizados para dentro de Sua morte.

Mateus 28:19 nos incumbe batizar os novos crentes para dentro do nome do Deus Triúno. M. R. Vincent diz: “Batizar para dentro do nome da Trindade Santa implica numa união espiritual e mística com ele.” Ele mais tarde diz que o nome “é equivalente a sua pessoa”. Ser batizado para dentro do nome divino é ser imerso na Pessoa divina.

Uma nota na Bíblia Anotada de Scofield diz : “Pai, Filho e Espírito Santo é o nome final do Deus único e verdadeiro.” Algumas traduções não têm “do” três vezes, somente o nome do Pai e Filho e Espírito Santo. O nosso Deus é Triúno: o Pai o Filho e o Espírito.

Entretanto, tal título, tal nome só foi revelado depois da ressurreição de Jesus. Mateus 28:19 foi falado depois da ressurreição do Jesus glorificado. Isso foi revelado depois que o processo de nosso Salvador desde a encarnação até a ressurreição foi completado.

Antes da ressurreição de Cristo, tal Espírito, o Espírito composto, ainda não era (Jo 7:39). Mas depois de Sua ressurreição o Espírito de Deus foi composto, e Ele é agora o

Espírito composto, processado, todo-inclusivo. Este Espírito composto, que é idêntico ao Senhor, é, como revelado em 2 Coríntios 3, o Espírito que dá vida, que libera e que transforma, que nos dá a vida divina (v. 6), liberta-nos da escravidão da lei (v. 17), e nos transforma à imagem de Cristo de glória em glória (v. 18).

 O Espírito que Dá Vida

Paulo diz que o último Adão, por meio de Sua ressurreição e em Sua ressurreição, tornou-se Espírito que dá vida (1 Co 15:45 – lit.). Ele tornou-se não somente Espírito, mas especificamente Espírito que dá vida. “Que dá vida” mostra que tipo de Espírito Ele é. Em 2 Coríntios 3:6 Paulo diz que o Espírito dá vida.

João 6:63 diz: “O Espírito é o que vivifica”. A Nova Tradução de Darby* tem um parêntese do versículo 7 ao versículo 16 de 2 Coríntios 3. Se considerarmos esta seção parentética, o versículo 17 continua o versículo 6. O Espírito dá vida (v. 6) e o Senhor é o Espírito (v. 17).

Muitos escritores concordam que nas Epístolas de Paulo o Cristo ressurreto é idêntico ao Espírito. Entretanto, isso não anula a distinção entre Cristo e o Espírito. Existe sempre dois lados para a verdade. Em 2 Coríntios 3:17 o Senhor e o Espírito são um.

Em 2 Coríntios 13:13 temos a graça de Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo. Pode-se ver aqui que Cristo e o Espírito são distintos.

 O Espírito Da Vida

A Primeira Epístola aos Coríntios 15:45 refere-se a Cristo como o Espírito que dá vida. Certamente não pode haver dois Espíritos que dão vida. Cristo, o Espírito que dá vida, é também o Espírito da vida.

Este termo é revelado em Romanos 8:2. Romanos 8 fala do Espírito da vida (v. 2), o Espírito de Deus (v. 9) e o Espírito de Cristo (v. 9) que é o próprio Cristo (v. 10). Fala-se no mesmo capítulo do Espírito como as primícias (v. 23).

Sobre o autor

Wilson Lemos

Wilson Lemos

Meu nome e Wilson lemos,
sou evangelista formado em bacharel em teologia pelo instituto de teologia
SETAD.

Sou casado e tenho por missão ajudar você a crescer espiritualmente em conhecimento.

Deixe um comentário