Estudos Bíblicos

 Crucificado

crucificado
Wilson Lemos
Escrito por Wilson Lemos

A encarnação foi maravilhosa e a crucificação é maravilhosa. Não temos palavras para explicar a encarnação na totalidade, nem podemos explicar totalmente o fato da morte de Cristo.

 Carregando os Nossos Pecados

Na cruz, Cristo carregou os nossos pecados. Três versículos são muito claros a este respeito: 1 Pedro 2:24, 1 Coríntios 15:3 e Hebreus 9:28. Todos estes versículos dizem que Cristo carregou os nossos pecados. De acordo com Isaías 53:6, quando Cristo estava na cruz, Deus tomou todos os nossos pecados e os colocou sobre este Cordeiro de Deus.

Se ler nos quatro Evangelhos a respeito da morte de Cristo, você verá que Ele foi crucificado das nove horas da manhã, a hora terceira (Mc 15:25), até às três horas da tarde, a hora nona (Mc 15:33; Mt 27:46). Entre estas seis horas houve o meio-dia, a hora sexta (Mc 15:33). O meio-dia dividiu estas seis horas em dois períodos de três horas cada.

A perseguição humana ocorreu nas três primeiras horas. O homem pregou-O na cruz, escarneceu Dele e afligiu-O de toda maneira possível. Então, nas últimas três horas, Deus veio para julgá-Lo (Is 53:10). Isso é demonstrado pela escuridão que veio sobre toda a terra ao meio-dia. Deus colocou todos os pecados da humanidade sobre Ele.

 Feito Pecado por Nós

Nas últimas três horas, aos olhos de Deus, Cristo foi feito pecado. Foi, então, na cruz que Deus condenou o pecado na carne de Cristo. Romanos 8:3 diz que Deus, mandando Seu próprio Filho na semelhança da carne do pecado (como a serpente de bronze na forma de uma serpente — Jo 3:14), condenou o pecado na carne.

O pecado foi condenado. O pecado foi julgado na cruz. Cristo não somente carregou os nossos pecados, como foi feito pecado por nós (2 Co 5:21) e foi julgado por Deus uma vez por todas.

 Com o Nosso Velho Homem e Toda a Velha Criação

Ainda mais, quando Cristo foi crucificado, todos Seus crentes foram crucificados com Ele (Gl 2:20). Quando Ele se encarnou, Ele tomou-nos sobre Si. Ele vestiu sangue e carne.

Portanto, quando Ele foi crucificado, fomos crucificados com Ele. Do ponto de vista de Deus, antes de nascermos, já estávamos crucificados em Cristo. Quando Cristo foi crucificado, não somente os nossos pecados foram tratados e nem somente o nosso pecado foi tratado; nós mesmos fomos crucificados. Assim, Romanos 6:6 diz: “Foi crucificado com Ele o nosso velho homem”.

Além disso, toda criação também foi crucificada ali. Quando Cristo morreu, o véu do templo rasgou-se de alto a baixo (Mt 27:51). De alto a baixo indica que isso não foi um feito do homem, mas um feito de Deus, do alto. Deus rasgou aquele véu em duas partes. No véu havia querubins bordados (Ex 26:31). De acordo com Ezequiel 1:5, 10 e 10:14, 15, querubins eram seres viventes.

Os querubins no véu, então, indicavam os seres viventes. Sobre a humanidade de Cristo estavam todas as criaturas. Quando o véu foi rasgado, todas as criaturas foram crucificadas.

Por isso podemos ver que a morte de Cristo foi todo-inclusiva. Ela tratou os nossos pecados, o nosso pecado, o nosso eu, o nosso velho homem e toda a velha criação. Pecados, pecado, homem c toda a criação foram tratados na cruz.

Abolindo a Lei dos Mandamentos na Forma de Ordenanças

Em Efésios 2:15 Paulo nos diz que por Sua morte na cruz, Cristo aboliu a lei dos mandamentos na forma de ordenanças. No Velho Testamento havia muitas ordenanças. A principal era a circuncisão, que dividia os judeus dos gentios.

Os judeus até usavam o termo “incircuncisão” ao referir-se aos gentios, enquanto consideravam-se a circuncisão. Circuncisão, portanto, era uma marca de separação. Os judeus também guardavam o sétimo dia, outra ordenança que os fazia diferentes dos gentios. Ambas ordenanças Cristo aboliu na cruz (Cl 2:14, 16).

Outras ordenanças dos judeus eram os regulamentos de dieta. Em Atos 10, entretanto, enquanto Pedro estava orando no eirado, uma visão veio a ele (vs. 9-16). O Senhor disse a Pedro para comer os animais que ele considerava comuns e imundos.

Assim, circuncisão, o sábado e os regulamentos de dieta foram totalmente abolidos. Essas ordenanças tinham sido uma parede de separação forte e alta entre os judeus e os gentios, mas agora ela foi derrubada. Não há mais nenhuma separação. Os judeus e os gentios podem ser edificados juntos como o Corpo de Cristo.

As ordenanças foram abolidas, mas e quanto às diferenças entre as raças, tais como entre negros e brancos? Na redenção completa de Cristo todas essas diferenças também foram abolidas. Ele pôs de lado toda a inimizade. Muitos ainda não vivem de acordo com isso. Os judeus ainda guardam a circuncisão, o sábado e os regulamentos de dieta. Até mesmo muitos cristãos ainda têm inimizade.

Por meio de Sua morte única, Cristo levou embora todos os nossos pecados e o pecado; Ele crucificou o velho homem, terminou a velha criação e aboliu as diferenças entre as raças. Agora não estamos em nós mesmos — estamos em Cristo. Nele não há pecados. Nele não há o pecado. Nele não existe o velho homem e nem a velha criação.

A igreja é simplesmente Cristo (1 Co 12:12). O próprio conteúdo, o constituinte da igreja é Cristo (Cl 3:10, 11). No novo homem não há grego nem judeu, nem posição social, nem distinção de raças, nem diferenças de nacionalidades; Cristo é tudo e em todos (Cl 3:11). Em Cristo, os pecados, o pecado, o velho homem, a velha criação e todas as ordenanças são anulados.

 Destruindo Satanás e Julgando o Mundo

A carne foi crucificada com Cristo. Porque a carne está relacionada a Satanás, ao crucificar a carne Cristo destruiu Satanás. É por isso que Hebreus 2:14 diz que pela Sua morte Ele destruiu o diabo. Por João 12:31 sabemos que quando Cristo foi crucificado, Ele expulsou Satanás, o governador do mundo, e julgou o mundo.

Por volta de 1935 ouvi uma mensagem dada pelo irmão Watchman Nee em Xangai. Ele disse que, se fosse a um crente jovem e perguntasse a ele quem morreu na cruz, ele diria que seu Redentor tinha morrido na cruz tanto pelos seus pecados como pelo seu pecado.

Se fosse a outro mais avançado e perguntasse a ele quem havia morrido na cruz, ele diria que Cristo morreu lá, carregando seus pecados, o pecado e ele próprio (Gl 2:20). Alguém ainda mais avançado na vida cristã lhe diria que Cristo morreu na cruz pelos seus pecados, pelo pecado e por ele próprio com toda a criação.

Uma quinta categoria de cristãos diria que Cristo morreu na cruz não somente pelos seus pecados, pelo pecado e por eles próprios com toda a criação, mas também para destruir Satanás e julgar o mundo.

Mais tarde comecei a ver que havia a necessidade de um avanço posterior em perceber a morte de Cristo, isto é, a abolição das ordenanças. Todas as ordenanças — os hábitos, costumes, tradições e práticas entre a raça humana — foram abolidas na cruz. A crucificação de Cristo foi a terminação universal de todas as coisas negativas. Aleluia por tal terminação!

 

 

Sobre o autor

Wilson Lemos

Wilson Lemos

Meu nome e Wilson lemos,
sou evangelista formado em bacharel em teologia pelo instituto de teologia
SETAD.

Sou casado e tenho por missão ajudar você a crescer espiritualmente em conhecimento.

Deixe um comentário